Dicas antes de Comprar

Como escolher o PISO e os MÓVEIS

São tantas opções na hora de comprar que deixa qualquer um confuso. Confira Como escolher o piso e os móveis para sua casa, em 4 dicas completas.

1- Funcionais 

Durabilidade e resistência
É vantajoso optar por móveis que tenham boa vida útil, através da resistência e durabilidade tanto da matéria-prima com que são feitos (sofá com boa Madeira na estrutura e revestimento de couro, por exemplo) quanto do design (linhas e formas que não saiam de moda). O mesmo é válido nos pisos e revestimentos.
Já quando falamos em almofadas, a durabilidade esperada é bem menor, e a diferença de durabilidade dos tecidos nem sempre é tão grande que justifique investir 10x mais em um exemplar que em outro. Essa premissa serve pra acessórios e objetos decorativos em geral – exceto obras de arte e design assinado, que são de um Mercado de Luxo e atemporais. Lembre-se que escolher um piso e móveis de forma correta além de ser uma economia, permite que você passe anos sem se preocupar com o assunto.

Manutenção
Parte importantíssima quando a família é composta por crianças ou animais de estimação. Isso porque a limpeza torna-se necessária com mais frequência (as vezes, a mesa tem de ser limpa 3 vezes na mesma refeição! Ou o chão a cada vez que o cachorro bebe água!). Então praticidade na manutenção é indispensável, aí, além de pensar no tipo de material, pensar na cor é um aliado.

Aspectos térmicos, acústicos e antiderrapantes
Dependendo da cidade onde mora, avalie comprar um sofá de chenille (que ficará super quente nos 40 graus do Rio de Janeiro no verão) ou de courino (uma geladeira nos 5 graus de Porto Alegre no inverno). O mesmo vale para os tecidos das cortinas, colchas, almofadas e tudo que for têxtil, além dos materiais das cadeiras (quem criou as cadeiras de ferro dos bares que ficam expostos ao sol?).
A acústica preserva a amizade entre os vizinhos e a privacidade. Cuidado com pisos sobrepostos de Madeira/similares ou paredes de drywall.
Novamente, com crianças, animais de estimação ou, ainda, idosos, pisos antiderrapantes são fundamentais em alguns casos. Avalie!

2 – Econômicas: custo-benefício

As compras pela internet (em sites conhecidos e certificados como seguros!) tem sido uma excelente alternativa para quem procura um melhor custo-benefício. Observe também que as promoções são sazonais. Em janeiro geralmente acontecem feirões de móveis e em dezembro as de acolchoados. O dia do mês e o horário da compra web também indica uma variação de preço. Geralmente a segunda e Terceira semanas do mês, nos finais de semana a noite – onde a procura é menor – os preços baixam.
Avalie o que você está comprando. Estabeleça um budget que deseja gstar na decoração da sua casa e coloque tudo na ponta do lapis. Isso talvez acalmará os ânimos quando você ver aquele vaso por R$2mil reais.
Outra boa opção é buscar móveis de segunda mão. Você terá boas surpresas
ao descobrir que um vizinho de bairro que comprou aquele aparadouro da loja “X” foi transferido e está vendendo por um terço do valor!

3 – Sustentáveis

Preservam a natureza e utilizam materiais e ciclo de produção limpo, ou seja, com menos resíduo. Hoje em dia diversos objetos já possuem selos que indicam este tipo de produção. Tendência cada vez mais forte na decoração, marcas como Ikea e Tok Stok estão prestando atenção e oferecendo produtos nesta linha em suas lojas.

4 – Estéticas

Para que o estilo, forma, cores, dimensões, texturas, padrões e acabamento se comuniquem e preservem os princípios do design.

a) Os móveis e piso precisam seguir um ou dois estilos, de forma que pareçam da mesma família.
b) Formas quadradas em excesso deixam o ambiente muito rígido, enquanto as arredondadas o deixam muito fluído e incerto.
c) Eleja preferencialmente 3 principais cores harmônicas.
d) Cuidado com as dimensões: preserve a proporcionalidade entre os móveis. Ex: uma cama de casal fica interessante com criado-mudo entre 35 e 50cm de largura. Já uma queen fica equilibrada com um criado-mudo entre 50-60cm. A altura também influencia, torna o objeto maior, diminuindo a necessidade da largura.
e) As texturas enriquecem o ambiente, bem como trabalhar o contraste das mesmas. Mas elas devem ser usadas como detalhes quando mais marcantes.
f) Com os padrões dos tecidos acontece o mesmo que com as texturas.
g) Procure eleger os mesmos acabamentos nos móveis e piso, por exemplo, escolha duas madeiras ou dois tipos de puxadores que se comuniquem.

 

 

Dicas de CORES para a casa

 

Casa monocromática nunca mais. Confira as cores mais indicadas para cada cômodo e deixe sua casa com vida. Uma ajudinha para sair do tudo “bege”. Use com moderação e sabedoria nas paredes, almofadas, móveis, eletrodomésticos…tapetes (porque não?)!

Vermelho – dinamismo, paixão, vitalidade.
Bom como… detalhe em salas de estar, jantar e cozinha, por trazer movimento (como detalhe!).
Quando em excesso…agressividade.

Laranja – otimismo, criatividade, socialização, acelerador do raciocínio.
Bom para… salas de estar e escritórios por incentivar o mental.
Quando em excesso…ruim para pessoas muito agitadas, pois aceleram demais, além de aumentarem o apetite.

Amarelo – alegria, espontaneidade, símbolo de riqueza, estimulador da mente.
Bom para… áreas de convívio social, como varandas, salas e cozinhas.
Quando em excesso…estimulam demais, agitando.

Verde – equilíbrio, harmonia, honestidade, estabilidade, estimulador do silêncio.
Ideal em… ambientes enclausurados e com pouco sol, por trazer um pouco do frescor da natureza ao ambiente – salas de espera, sótãos, entre outros.
Quando em excesso…indiferença e apatia nas pessoas.

Preto – sobriedade, masculinidade, sofisticação, poder.
Bom em… qualquer ambiente quando associado a outras cores.
Ótimo como “truque visual” para diminuir um móvel.
Quando em excesso…depressão.

Branco – inocência, alegria, higiene, saúde.
Bom para… cozinhas, salas de jantar e banheiros, pois evidenciam a limpeza.
Ótimo como “truque visual” para expandir objeto/espaço.
Quando em excesso…frieza.

Cinza – sabedoria.
Usado com cores quentes, transmitem dinamismo, bom para salas de estar e cozinhas.
Quando em excesso…tristeza.

Violeta – sensibilidade, intuição, sofisticação, refúgio, desencorajam trabalho físico, tranquiliza e refresca.
Bom para… quartos, pois é um convite ao descanso.
Quando em excesso…tons fortes deprimem.

Azul – suavidade, tranqüilidade, harmonia, paz, devoção, calma.
Bom para… banheiros, pois tiram o ar de claustrofobia.
E também em quartos por acalmarem a mente.
Quando em excesso…os escuros podem deprimir e os acizentados, tornar ambiente monótono.

Com estas informações, pense agora:
– como você usa cada cômodo (estuda, descansa…);
– agora, qual atmosfera você deseja em cada cômodo (relaxante, estimulante…).
Você já deve ter pré-selecionado algumas cores que correspondem as suas necessidades e desejos. Então:
– ouça sua intuição que indica suas cores preferidas, e faça a seleção final.